Autor Tópico: Perda Total  (Lida 2708 vezes)

Offline swamiudine

  • MaxiScootard Júnior
  • *
  • Join Date: Abr 2023
  • Mensagens: 1
  • Localidade: Paio Pires
  • Marca: Yamaha
  • Modelo: X-MAX 300
Perda Total
« em: 27 de Abril de 2023, 12:21 »
Bom dia amigos Scootards.

Esta é a minha primeira postagem neste forum e infelizmente, não é dos mais felizes.

No dia 13/04 tive um acidente na zona de Alcantara em Lisboa, onde a outra pessoa envolvida no acidente foi considerada culpada.
Acontece que a mota foi dada como perda total, uma vez que o custo de reparação da mesma ficou em cerca de 3800€ + M.O.

Passei pela oficina e os mesmos me disseram que dá para reparar de forma mais barata, consertando apenas o que for mecanico e urgente inicialmente.

Minha questão é... se optar por reparar a mota, como devo prosseguir depois?
É so fazer uma inspeção B e posso voltar a circular novamente com a mota?
Tenho de fazer mais algum processo?

Como marco esta inspeção e quanto tempo leva para agenda-la?

Conseguem me ajudar/tirar estas duvidas?

O modelo é uma Xmax 300 de 2019, com 20 mil kms.

Obrigado e bons kms a todos!

Offline emanuelp

  • MaxiScootard Júnior
  • **
  • Join Date: Jul 2012
  • Mensagens: 490
  • Localidade: Oeiras
  • Marca: Honda
  • Modelo: Forza 300
Re: Perda Total
« Responder #1 em: 27 de Abril de 2023, 14:46 »
Também tive um acidente há uns 10 anos atrás em que a mota foi dada como perda total.
Pergunto-me, no entanto, e visto que a outra pessoa foi dada como culpada, qual o motivo de queres reparar a mota "baratinho"?
Pessoalmente, a ação que tomaria, era começar a pesquisar o valor de motas usadas, do mesmo ano, com kilometragem semelhante, de modo a saber qual o valor a pedir à seguradora pela reposição do veículo.
Este valor serviria apenas para repor a viatura, e não estão contabilizados prejuizos, indemnizações, etc...
Poderás, depois, querer, ou não, ficar com o salvado, que poderá ser útil para vender como está, arranjar "baratinho" e depois vender (preferencialmente com lucro), aproveitar peças, etc...
Normalmente, se optares por ficar com o salvado, o valor do mesmo é abatido ao valor de reposição da viatura. Tens de jogar com o facto de se te compensa, ou não.
Honda Forza 300: Nas estradas desde 06-09-2018...

Offline Élio

  • Assembleia Consultiva
  • MaxiScootard
  • *****
  • Join Date: Jan 2019
  • Mensagens: 783
  • Localidade: Chamusca
  • Marca: Suzuki
  • Modelo: V-Strom DL 650 XT
Re: Perda Total
« Responder #2 em: 28 de Abril de 2023, 15:22 »
A questão que coloco é:
Sendo que não foi considerado culpado, portanto não teve qualquer responsabilidade no acidente, até que ponto é que não poderá exigir que o dano seja reposto tal e qual como se encontrava antes do acidente.
Qual a obrigação que tem em aceitar que as coisas "fiquem assim", já que não foi ele a provocar o acidente?
Não poderá ele pressionar a seguradora a repor o bem, no estado em que se encontrava?


O limite é apenas uma fronteira criada pela sua própria mente.

Offline toze

  • MaxiScootard Júnior
  • *
  • Join Date: Mai 2014
  • Mensagens: 30
  • Localidade: Cacem
  • A sombra do Vento
  • Marca: HONDA
  • Modelo: ÁFRICA TWIN ADVENTURE ES
Re: Perda Total
« Responder #3 em: 28 de Abril de 2023, 16:21 »
Boa tarde, pelo que sei apenas é necessário uma inspecção tipo B.
Portanto é uma questão de fazer contas, confirmar o valor da reparação e
se valer a pena mandar arranjar.
Cumprimentos.
SYM GTS 125 ABS - 15.100 km
MAXSYM 400i - 18.300 km
SUZUKI 650 DL XT - 108.200 km
HONDA ÁFRICA TWIN ADVENTURE ES

Offline Rufido

  • Assembleia Consultiva
  • MaxiScootard
  • *****
  • Join Date: Nov 2013
  • Mensagens: 1800
  • Localidade: Oeiras
  • Respeito, muito respeito pelos outros e pela máqª
  • Marca: Suzuki
  • Modelo: SV650A
Re: Perda Total
« Responder #4 em: 28 de Abril de 2023, 16:37 »
A questão que coloco é:
Sendo que não foi considerado culpado, portanto não teve qualquer responsabilidade no acidente, até que ponto é que não poderá exigir que o dano seja reposto tal e qual como se encontrava antes do acidente.
Qual a obrigação que tem em aceitar que as coisas "fiquem assim", já que não foi ele a provocar o acidente?
Não poderá ele pressionar a seguradora a repor o bem, no estado em que se encontrava?

Pode, sem dúvida, ser ressarcido dos danos causados, mas não creio que o consiga só pressionando a seguradora.
Arranjar um bom advogado ajuda e muito, só que demora tempo. No meu caso, foram cerca de 2 anos de espera.
Rui