Autor Tópico: Como escolher uma Maxiscooter? - Parte IV  (Lida 7868 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

paufer

  • Visitante
Como escolher uma Maxiscooter? - Parte IV
« em: 25 de Maio de 2011, 22:38 »
A Maxi Faz-Tudo


Utilização 40% urbana + 40% suburbana + 20% autoestrada

Ágil o suficiente para se movimentar pela cidade mas também poderosa e rápida para as deslocações em percursos suburbanos incluindo radiais e auto-estradas. Algumas limitações apenas nas longas viagens em auto-estrada.

Uma tipologia que satisfaz as necessidades identificadas da maioria dos utilizadores, enquadrando-se nas cilindradas que vão desde 200 cc a 300 cc. Com velocidades máximas próximas ou superiores a 130 km/h, os custos de aquisição e de manutenção ainda são baixos, mas a qualidade de construção e serviços assemelham-se aos modelos exclusivamente suburbanos (mais de 300 cc).

Obviamente, exigem a carta de condução A (com algumas excepções), mas não requerem uma experiência de condução especial dado que, em média, o peso e desempenho não representam um obstáculo mesmo para iniciantes.

A Companheira ideal na cidade e nos passeios outdoor

Até ao presente (Maio 2011) existem 42 modelos em produção que se enquadram nesta "classificação". Logicamente tanta variedade implica características muito diferentes.

Desde os mais confortáveis aos mais desportivos, com duas ou três rodas, rodas altas, médias ou baixas, com ou sem ABS, com cilindradas de 205 a 313cc, preços de 3500 a 8000 euros, potências de 15 a 21,7 kW e pesos de 148 a 257 kg.

Apesar de toda esta diversidade, mais ou menos todos desempenham a árdua tarefa de "Maxi Faz-Tudo".


Kymco Downtown 300i

Honda SH 300i

Aprilia Atlantic 300

Vejamos então as características a verificar para o perfil desta Maxi:

- Compacta e ágil o suficiente para movimentação à vontade no trânsito da cidade, proporciona mais habitabilidade do que a média exibida pelos modelos do perfil anterior, perdendo no entanto alguma vantagem relativamente a estes em termos de peso e manobrabilidade em baixa velocidade ou com o motor desligado;

- Prestações algo "exageradas" nas áreas urbanas, mas necessárias para a movimentação em circuitos suburbanos, inclusive em radiais e vias rápidas;

- Apta a rolar em auto-estrada perto do limite legal, com uma estabilidade tranquilizadora e conforto, mas em regimes de motor na vizinhança do limite. Longos períodos nestas condições, aconselham o “salto” para Maxis suburbanas (mais de 300 cc);

- Com um tamanho intermédio relativamente ao perfil Maxi não só para cidade e Maxis suburbanas (mais de 300 cc), rivaliza com este último tipo em habitabilidade para condutor e passageiro e, em alguns casos, ultrapassa-o em espaço para bagagem;

- Relativamente ao conforto, oferece alguma protecção contra o frio e chuva embora os modelos mais “naked” apontem para o visual e prestações e não incluam uma cobertura e pára-brisas verdadeiramente protectores;

- Nos aspectos de segurança, em geral, oferece recursos mais complexos tais como a disponibilidade de três rodas basculantes ou versões com travões ABS;

- A cilindrada ainda reduzida permite consumos, em andamentos moderados, que se aproximam 30km/litro. Os custos de manutenção são aceitáveis e muito interessantes mesmo para utilizadores que necessitam de fazer bastantes quilómetros;

- Oferece uma qualidade de construção e detalhes com uma abordagem muito idêntica aos modelos suburbanos (mais de 300 cc), inclusive no que diz respeito à instrumentação e equipamentos em geral;

- Tecnologia enquadrada com as normas anti-poluição, actualmente deve cumprir com requisitos Euro 3 (Euro 4 provavelmente a partir de 2012).


Vamos agora tentar identificar os modelos em detalhe com base de acordo com as necessidades de utilização, características e custo.

Selecção por Utilização

1. Ocasional no verão

É muito duvidoso que um utilizador cuja escolha tenha incidido neste perfil de Maxi, opte por a guardar numa garagem a maioria do tempo.

No entanto, se for esse o caso, é possível encontrar 6 modelos a preço acessível (menos de 4000 euros) para uso ocasional.
Vejamos então a respectiva escolha por ordem crescente de valor:

Aprilia Atlantic 300, Sym Citycom 300i, Tgb Xmotion 300efi, Piaggio Carnaby Cruiser 300ie, Kymco People GTi 200 e Kymco Downtown 200i.

Sym Citycom 300

Aprilia Atlantic 300

2. Contínua, excepto em caso de chuva ou frio

A escolha considera Maxis "naked", que não apresentam uma verdadeira carenagem de protecção, mas apenas pára-brisas ou pára-brisas e pequeno deflector.

É claro que, estes modelos podem ser equipados com pára-brisas maiores ou dispositivos deflectores, mas raramente chegam a oferecer a mesma protecção que os modelos carenados e frequentemente implicam diminuição na segurança e estabilidade.

Obviamente, a ausência de carenagem beneficia o respectivo peso e dimensões.

Escolha por ordem alfabética apenas com pára-brisas:

Honda SH300i, Piaggio Beverly 300ie, Piaggio Carnaby Cruiser 300ie e Vespa GTS 300 Super/SuperSport.

Escolha por ordem alfabética com pára-brisas e pequeno deflector:

Aprilia Scarabeo 300 Special, Aprilia SportCity 300 Cube, Kymco People GTi 200, Kymco People GTi 300, Malaguti Password 250, Peugeot GeoRS 300, Peugeot GeoStyle 300, Piaggio MP3 Yourban 300, Vespa GTS 300ie Touring, Vespa GTV 250ie e Vespa GTV 300ie.

Honda SH 300i

Aprilia Scarabeo 300 Special

3. Diariamente, durante todo o ano e em todas as condições climatéricas

São preferíveis os modelos dotados com carenagem completa e pára-brisas unido ao quadro, mas foram também considerados os que têm apenas carenagem de menor dimensão bem ligada ao pára-brisas.

Para a utilização mais frequente, logicamente foram considerados em primeiro lugar os mais votados na segurança (ABS ou três rodas basculantes).

Escolha por ordem alfabética:

Kymco Downtown 300i ABS, Peugeot Satelis 250 Urban, Piaggio MP3 300ie, Piaggio MP3 Hybrid 300ie e Yamaha X-Max 250 ABS.

Sem sistemas de segurança electromecânicos, mas com carenagem completa, escolha por ordem alfabética:

Aprilia Atlantic 300, Gilera Nexus 300ie, Kymco Downtown 200i, Kymco Downtown 300i, Kymco Xciting R 300i, Malaguti Madison 3 250ie, Peugeot Satelis 250 Premium, Sym Joymax Evo 300i, Tgb Xmotion 300efi e Yamaha X-Max 250.

Com carenagem reduzida, escolha por ordem alfabética:

Peugeot Geopolis 300 Premium, Piaggio X7 Evo 300ie, Sym Citycom 300i e Yamaha X-City 250.

Kymco Downtown 300i ABS

Peugeot Geopolis 300 Premium

Selecção por Características Principais

1. Principalmente segura

Os requisitos de segurança crescem, mas apenas um décimo dos modelos avaliados são equipados com ABS ou três rodas basculantes. Até ao momento presente, também a considerar ausência do airbag fixo ao veículo na totalidade dos modelos (ver aqui).

Modelos de três rodas basculantes:

Piaggio MP3 300ie, MP3 300ie LT, MP3 Hybrid 300ie, MP3 Hybrid 300ie LT, MP3 Yourban 300 ERL e MP3 Yourban 300 LT.
Quatro modelos com ABS:

Honda SH300 ABS, Kymco Downtown 300 ABS, Peugeot Satelis 250 Urban e Yamaha X-Max 250 ABS.

Peugeot Satelis 250 Urban

2. Simples e económica

Difícil de encontrar nesta categoria, mas se levarmos em conta apenas o preço, vejamos então os modelos (listados por ordem preço crescente +/-) tendo por base um preço referencial de 4000 euros como limite:

Aprilia Atlantic 300, Sym Citycom 300i, Tgb Xmotion 300efi, Piaggio Carnaby Cruiser 300ie, Kymco People GTi 200 e Kymco Downtown 200i.

Tgb Xmotion 300efi

Piaggio Carnaby Cruiser 300ie

3. Elegante e rápida

Infelizmente, as empresas quase nunca declaram os dados de aceleração e velocidade máxima.

O ranking apresentado foi elaborado com base nos valores de potência e torque, não esquecendo de os relacionar com o peso e verificando as respostas de teste na estrada.

Com cilindradas entre 205 a 313cc, seria normal esperar que mais uns centímetros cúbicos poderiam fazer alguma diferença. Contudo, verificou-se que apenas em parte este raciocínio é verdadeiro conforme evidenciado pelos 15,7 kW da “pequena” Kymco Downtown 200 (205cc) em comparação com os 17kW da Aeon 350 (313cc).

Será pois conveniente prestar alguma atenção para o deslocamento real do motor, mas também para a tecnologia utilizada e modernidade do projecto.

No topo da classificação surgem Kymco Downtown 300/ABS e People GTi 300, com cilindrada de 299cc, que excedem os 21kW e i 30Nm, seguidas pela Honda SH 300i/ABS (279cc) com 20kW exactos e 26,5Nm (mas com menos cerca de 15 kg peso).
 
Não ficaria nada mal também, a Piaggio MP3 Hybrid 300 que somando motor térmico e eléctrico chega aos 18,2kW e 27,5Nm, não fosse pelo seu peso que ultrapassa os 257kg e que lhe reduz a performance.

Kymco Downtown 300i

Honda SH 300i

4. Confortável e boa capacidade de protecção

Aqui voltamos ao discurso da carenagem ao qual acrescentamos habitabilidade para condutor e passageiro e eficácia da suspensão.

É muito mais fácil expressar uma opinião após um teste de estrada do que apenas a ler as especificações. Assim sendo, apenas são mencionadas as Maxis testadas.

Escolha por ordem alfabética:

Kymco Downtown 200i, Kymco Downtown 300i, Malaguti Madison 3 250ie, Peugeot Satelis 250 Premium/Urban, Sym Joymax Evo 300i e Yamaha X-Max 250.

Kymco Downtown 200i

Yamaha X-Max 250

5. Tecnológica e com estilo

Motor e chassis de quase todos os modelos muito idênticos. A maior demonstração de tecnologia é oferecida pela Piaggio de 3 rodas basculantes, especialmente na versão híbrida que ostenta presença simultânea de um motor de combustão interna e um motor eléctrico.

Mas nem sempre "a tecnologia a todo o custo" alcança os resultados desejados. Neste caso verifica-se o crescente de preço e peso ao passo que a economia de combustível e desempenho não são superiores aos modelos equipados com os “velhos” motores.

Talvez menos tecnológicas mas mais eficazes que os modelos “três rodas”, opõem-se a Honda SH300 ou as Kymco Downtown e People equipadas com os rentáveis motores G5 de 205 e 299cc.

Se a escolha recair no "estilo", então torna-se inevitável citar a Vespa com particular referência às versões especiais a exemplo da 300 GTV.

Piaggio MP3 Hybrid 300i

Vespa GTV 300

Selecção por Necessidades Imprescindíveis

1. Assento baixo

A altura do assento não foi o único parâmetro considerado. Foi valorizado em particular uma dimensão não excessiva ao solo e plataforma com espaçamento amplo de modo a facilitar a posição das pernas (evitando a abertura).

Mas a altura, é a única medida fornecida pelos fabricantes para a maioria dos modelos e os mais acessíveis são Sym Joymax 300 Evo e Tgb Xmotion 300efi com 740 mm.

Tgb Xmotion 300efi

2. Tamanho e peso

As medições típicas a considerar serão apenas o comprimento, dado que a largura é medida em pontos diferentes e originando referências incomparáveis.

Um pouco mais fiáveis são os dados de peso (seco), embora muitas empresas não estejam a fornecer correspondente informação.

Se efectuado um “filtro” para 2.000 mm de comprimento e 160kg de peso, restam apenas:

Malaguti Madison 3 250 e a totalidade da gama Vespa.

Malaguti Madison 3 250ie

Vespa GTV 300ie SuperSport

3. Amplo compartimento de bagagem

Não foi difícil encontrar modelos que podem acomodar na bagageira um par de capacetes integrais ou uma pequena mala de viagem.

A lista compreende:

Aeon Elite e Urban 350, Kymco Downtown 200/300, Peugeot Satelis 250, Piaggio MP3 300 e Yamaha X-Max 250.

Aeon Elite 350

Piaggio MP3 300ie

4. Baixa apetência ao roubo

A lógica é bastante simples, quanto mais populares forem e mais na moda estiverem as Maxis, mais risco de roubo correm. De modo inverso, os modelos de menor popularidade são os menos furtados.

Com base em dados referidos a Abril de 2011 para o mercado (italiano), retirados de uma listagem (Top 100), seguintes modelos:

Aeon Elite e Urban 350, Malaguti Madison 3 250, Peugeot GeoStyle e GeoRS 300, Peugeot Satelis 250, Piaggio MP3 Hybrid 300 e Tgb Xmotion 300.

No entanto esta regras nem sempre são válidas, pois existem modelos, tais como a Vespa GTV, que devido ao seu preço não são muito comuns mas nem por isso deixam de ser apetecíveis ao “mercado mal intencionado”.

Aeon Urban 350

Malaguti Madison 3 250ie

5. Elevada comercialização

Neste aspecto, o discurso é literalmente oposto ao efectuado no ponto anterior.

Os modelos mais vendidos são também aqueles que possuem maior cotação nos anos posteriores à sua compra.

Este não é o único parâmetro a considerar, será também avaliada a respectiva longevidade no mercado, se é uma série especial ou um modelo de reentrada.

Mais uma vez é o caso Vespa GTV, pouco comum e também por isso muito procurada no mercado de usados.

Claro que os modelos com os quais se pode jogar pelo seguro estão todos no top 10: Honda SH300, Piaggio Beverly 300, Yamaha Xmax 250, Kymco Downtown 300 e Vespa GTS 300 Super.

Honda SH 300i

Selecção por Custo

1.1 Preço não superior a 4000 Euros por ordem crescente:

Aprilia Atlantic 300, Sym Citycom 300i, Tgb Xmotion 300efi, Piaggio Carnaby Cruiser 300ie, Kymco People GTi 200 e Kymco Downtown 200i.

1.2 Preço máximo:

Piaggio MP3 300ie e LT, Piaggio MP3 Hybrid 300ie acima dos 6000 euros com a versão LT a ultrapassar os 8000 euros.


Aprilia Atlantic 300


Piaggio MP3 Hybrid 300ie LT

2. A economia de combustível

É escandaloso que quase nenhuma empresa declara dados de consumo e não é utilizada uma metodologia preconizada pelas normas ECE40 ou WTMC.

Apenas a Honda utiliza o respectivo normativo para certificar a sua SH 300 declarando 30,6 km/litro.
Uns bombásticos 60km/litro (média), mas menos confiável para a Piaggio MP3 Hybrid e Sym CITYCOM 300i e 300 (a 50km/h constante).

Nos testes de estrada o melhor resultado é da Kymco Downtown 300 com 28,2 km/litro em média.

3. Periodicidade da manutenção

Além da evidente perda de tempo, quanto mais elevada for a frequência das manutenções maior o gasto.

Por isso é importante compreender os respectivos intervalos reais necessários para os variados modelos (excluindo ciclos de controlo e reposição de óleo do motor).

O melhor intervalo para manutenção situa-se nos 10000 km e é comum a todos os modelos das marcas Aprilia, Gilera, Peugeot, Piaggio, Vespa e Yamaha (as duas últimas requerem mudanças de óleo mais frequentes).

Gilera Nexus 300ie

Aprilia SportCity Cube 300ie

Resumindo

1. Seleccione os parâmetros que considera mais importantes e verifique quais os  modelos que os apresentam com mais frequência. Utilizando este processo, é possível restringir a lista de candidatos.

2. Aprofunde o conhecimento sobre todos os candidatos consultando os mais variados testes efectuados por agentes da especialidade.

3. Visite os concessionários locais para verificar os preços reais e efectuar test ride (fundamental!).


Continua...



« Última modificação: 29 de Maio de 2011, 17:57 por paufer »

LWillow

  • Visitante
Re: Como escolher uma Maxiscooter? - Parte IV
« Responder #1 em: 25 de Maio de 2011, 23:34 »
"Pela parte que me toca", Obrigado pela 'dedicação à causa' e trabalho dispendido !  _palmas_
Esta 'colectânea' de 4 tópicos que o amigo Paufer publicou é uma informação  bastante agradável e útil de ler. É claro que não deixa de ser superficial mas mesmo assim está inequívocamente 'acima da média' relativamente à grande maioria do que aqui é deixado a público.
Um abraço !  _convivio_