Autor Tópico: Como fazer a rodagem da sua moto  (Lida 289 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline moto2cool

  • MaxiScootard
  • ****
  • Join Date: Mar 2015
  • Mensagens: 2327
  • Localidade: Porto
  • Sexo: Masculino
  • Marca: Suzuki
  • Modelo: SV 650 A
Como fazer a rodagem da sua moto
« em: 05 de Setembro de 2018, 15:10 »
Como foi colocada uma dúvida sobre este assunto, nunca é tarde para afixar mais uns conselhos :

"Providenciar uma rodagem adequada durante os primeiros quilómetros da sua moto nova, ajuda a assegurar a longevidade, a fiabilidade e o bom rendimento do seu veículo. 

A rodagem apropriada permite que as peças, sobretudo as do motor, se acoplem uma às outras de forma suave, minimizando o contacto entre elas, facto que posteriormente reverterá também a favor de melhores prestações e menores consumos de combustível. Por isso é importante que, nos primeiros quilómetros, seja prudente no uso do acelerador. 

Há uma regra básica que se pode aplicar a praticamente todos os veículos, salvaguardando obviamente as condições referidas no manual do proprietário que, sem qualquer dúvida ou desculpa, deve ler antes de se sentar aos comandos da sua nova moto. 

Consiste em:

Durante os primeiros 500 quilómetros, nunca rodar o punho do acelerador, mais do que metade do seu curso. 

A partir daí, e até aos 1000km, imediatamente antes de fazer a primeira revisão, pode aumentar o ritmo, desde que nunca rode o acelerador mais do que 3 quartos do seu curso.  É importante que, durante os primeiros 1000km, varie frequentemente o regime do motor. Numa moto, basta, por vezes, reduzir ou aumentar a relação de caixa, mais frequentemente do que seria normalmente necessário. 

Numa scooter deve conseguir o mesmo objectivo, mas rodando a velocidades diferentes, alterando a intervalos de aproximadamente 5 minutos, e fazendo curtas paragens a cada 30 ou 45 minutos.

Assim, os componentes móveis do interior do motor e caixa de velocidades são submetidos a sucessivas cargas e descargas permitindo, entre outros fenómenos físicos e químicos, uma temperatura de funcionamento mais baixa e uma melhor lubrificação. Isto favorece também o processo de acoplamento das peças.

Mas não exagere! Evite uma velocidade baixa constante, o que também não é, de todo, recomendável, pois é tão ou mais prejudicial do que a rotação excessiva. Acelere normalmente o motor, sem problemas ou preconceitos, dentro dos limites recomendados. 

Ainda assim, depois dos 1.000 e até por volta dos 1.500 quilómetros, evite conduzir com o acelerador completamente aberto durante mais de 10 minutos consecutivos.

Há quem diga que os motores são rodados em fábrica, e de diversas formas, o que é verdade, mas são-no em bancada, por poucos minutos, e fora da moto! E verdade seja dita é que, mesmo o motor mais bem equilibrado, não está livre de uma falha humana na sua instalação. Por isso mais vale prevenir!

Aquecimento do motor antes de arrancar

Será que, a frio, se deve manter o motor a trabalhar ao ralenti durante tempo suficiente para permitir que o óleo chegue a todas as partes internas do motor, ou como se diz na gíria “aqueça”?

Há quem jure que sim, e quem deixe o motor a trabalhar durante alguns minutos até estar bem quente”, mas há engenheiros das próprias marcas que dizem que, ao fim de 4 ou 5 segundos, a lubrificação já funciona a 100%. 

Claro que tudo depende da temperatura ambiente, e com valores negativos será completamente diferente do que com valores acima dos 12 graus, mas precisamente por isso, os lubrificantes actuais são todos multigrado, ou seja, mantêm (dentro de certos parâmetros) a sua viscosidade independentemente da temperatura.

A teoria de alguns fabricantes é a de que o período de aquecimento pode eventualmente favorecer o desempenho do moto logo após o arranque, mas que, por outro aspecto, é contraproducente para outros componentes da moto, vejamos:

A transmissão, seja a primária (caixa de velocidades) seja a secundária (Pinhão, Corrente e Cremelheira, veio e cardã, ou mesmo as CVT, de variação contínua - Continuously Variable Transmission, que englobam a embraiagem centrífuga (automática) que vulgarmente se encontra nas scootes “aceleras”), por essa altura, e por terem estado paradas, tal como os pneus, não estão ainda na sua temperatura ideal de funcionamento.

Por isso, segundo eles, faz mais sentido dar arranque ao motor, e praticamente logo de seguida começar a andar, devagar, e fazer os primeiros 3 ou 4 quilómetros a ritmos francamente baixos, para que todos os componentes aqueçam por igual, até à sua ideal temperatura de funcionamento. "


Notícia mais completa:http://www.andardemoto.pt/moto-dica-longas/38280-como-fazer-a-rodagem-da-sua-moto/

Spritmonitor.de" border="0 Suzuki VStrom 650
"Viver a vida não é esperar que a tempestade passe, é aprender a andar à chuva"