Autor Tópico: Test-Ride » BMW R1200 GS  (Lida 527 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline marb

  • MaxiScootard
  • ***
  • Join Date: Jun 2013
  • Mensagens: 1191
  • Localidade: Santarém
  • Sexo: Masculino
  • Marca: BMW
  • Modelo: R1200 GS
Test-Ride » BMW R1200 GS
« em: 28 de Janeiro de 2018, 23:10 »
Ontem foi dia de realizar um sonho e experimentar a BMW R1200 GS.

Desde que fiz a marcação não consegui pensar em mais nada. Chegado o momento, o nervosismo apoderou-se de mim, mas assim que me coloquei em cima dela e comecei a andar, este dissipou-se.

A imponência da GS, que intimida qualquer um, desaparece quando se começa a rolar na estrada e depressa esquecemos que estamos a guiar uma moto com mais de 240 kg's.

O som que sai do escape é fabuloso e é nestas alturas que apetece conduzir sem capacete. Como estava um pouco frio, liguei os punhos aquecidos dado que optei por deixar de lado as luvas de inverno, pois com elas tenho um tato menor.

Não procurei grandes velocidade, até porque estava na EN1 em direção a Leiria e depois Marinha Grande-S. Pedro de Moel, Vieira de Leiria-Marinha Grande e de novo à EN1.

Tudo nesta moto me pareceu bom: o conforto, a posição de condução, a resposta do motor, a ciclística, a eletrónica, a proteção aerodinâmica, etc.

A leveza da embraiagem e da caixa de velocidades relegaram para segundo plano o quick-shift, que achei mais bruto do que eu a colocar as  mudanças. No entanto, este extra pode ser útil numa grande viagem e reduz significativamente o uso da embraiagem.

Os comandos no guiador estão bem posicionados e facilmente memorizamos a sua localização. Ajustar a suspensão (Hard, Normal e Soft) ou mudar o modo de condução (Road, Dynamic, Rain...) é bastante intuitivo, assim como navegar pelas informações no CB.

Pareceu-me que os diferentes modos de condução também influem na relação de caixa (mais longa ou mais curta).

Apesar de estar habituado ao velocímetro digital da minha CB, acabei for ficar agradado com o analógico (conta-rotações incluido) da BMW, apesar de achar que os números poderiam ser um pouco maiores.

Pena para os piscas , que não possuem um identificador distindo no painel (para a direita ou para a esquerda), aparecendo sempre as 2 setas em simultâneo.

Apesar do cenário desolador do que resta do Pinhal de Leiria, aqui e ali com alguns oasis que escaparam ao apetite voraz das chamas, o passeio foi agradável, pese embora a força do vento, que em nada perturbou o comportamento e a estabilidade da GS.

Como é normal, por a moto não ser minha, tive algum cuidado a fazer as rotundas, mas é muito fácil curvar com ela, o centro de gravidade é baixo e torna fácil a condução desta moto.

Chegado ao fim das cerca de 2 horas e 100 km's de test-ride, a experiência dificilmente será esquecida e a mesma será repetida, embora o objetivo (a longo longo prazo) seja possuir uma!

Para o final, estava guardada a surpresa: é certo que não andei a grandes velocidades, andei dentro dos limites legais, mas também fiz algumas acelerações mais fortes. O que é certo é que os números não mentem: 4,2 litros / 100, a provar que as grandes também conseguem beber pouco!!!!

O preço elevado (com os 3 packs fica em cerca de 21000 €) é assustador mas justificável, com a agravante das manutenções também não serem baratas!!! Mas que é um bom produto, sem dúvida que é!

Recomendo!!!!  :confetti:







10/2011-Honda Vision 110 (3600 km), 04/2012-Yamaha XMax 125A (8700 km), 07/2013-Yamaha XMax 250A (10000 km), 07/2014 Honda NC750D (18700 km),03/2016-Honda PCX 125 (8000 km), 04/2017-Honda CB500X (13400 km), 05/2018-Honda CBR650F (7170 km), 09/2018-BMW R1200 GS

Offline pgomes78

  • MaxiScootard
  • ***
  • Join Date: Mai 2012
  • Mensagens: 714
  • Localidade: Agualva-Cacém
  • Sexo: Masculino
  • Marca: Honda
  • Modelo: SH 300i ABS 2012
Re: Test-Ride » BMW R1200 GS
« Responder #1 em: 14 de Março de 2019, 21:20 »
Olá.
Concordo com tudo, excepto no uso do quickshift que a vantagem não é em viagem mas sim numa condução empenhada e na alteração da caixa de velocidades com os modos. Tal seria impossivel uma vez que falamos de carretos que não se alteram. Muda sim a resposta da moto a nível de electrónica e admissão/combustão! Mas foi pelo que descreves que mesmo após testar uma KTM 1290 adventure, antes de ontem acabei por comprar uma.
Pedro Gomes

Honda SH 300 abs 2012
Suzuki DL 650 v-strom abs 2010